quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A RESISTÊNCIA AO "NOVO" TORNA MAIS ESTREITA A PORTA


A RESISTÊNCIA AO "NOVO" TORNA MAIS ESTREITA A PORTA 
(Mt 7:13-14)


Queridos e queridas, aprendemos, com nosso cristianismo, a desejar algo que acreditamos será maravilhoso, promotor de infinita alegria e eterna felicidade, porém, os meios, os caminhos para alcançarmos o que desejamos têm sido, ao longo dos tempos, expressões de grandes lutas e sofrimentos. Sonhamos com a vida eterna, isto é, com a imortalidade do nosso Eu – mas como tem sido difícil realizarmos esse processo em nós!

É tão difícil, que o próprio Mestre Jesus declarou que poucos conseguiriam. Como foi que Ele disse? Ele disse palavras que aparecem várias vezes em Sua doutrina e na doutrina de grandes mestres espirituais da humanidade: “Que é estreita a porta e apertado o caminho que conduzem à vida eterna – ao passo que é larga a porta e espaçoso o caminho que levam à morte eterna”. Ou seja, difícil é a salvação do homem, enquanto fácil é sua perdição. Um dilema razoável!

De onde vem essa dificuldade? A psicologia já propôs uma resposta a esta pergunta, dizendo que vem da nossa resistência ao novo. Vejam uma definição de resistência:
“Resistência é um processo humano que acontece quando a pessoa se encontra sob algum tipo de ameaça – a resistência acontece tanto para o indivíduo se defender, como para se ajustar a uma nova situação.
Quando ocorre a resistência, é porque um fato novo veio à tona então vem a defesa ou vem um tempo de ajuste para que ocorra o insight (entendimento). “

Sendo assim, sempre que o ser humano tem que passar de um estado da vida já conhecido e fácil, para outro estado, novo ou quase totalmente desconhecido, é muito difícil no início.

Outro dia, após um maravilhoso concerto televisionado, perguntaram ao violinista solista qual tinha sido o momento mais difícil de sua carreira. _ O início, respondeu ele.
De fato, um violonista virtuose, que já domina as técnicas em seu instrumento não encontra dificuldades em executar, com perfeição, a mais difícil das músicas, porém, um violinista principiante tem de concentrar o máximo da sua atenção e do seu esforço mental para acertar as notas – ainda é, para o iniciante, mais doloroso do que prazeroso, tocar violino. A dor ou desconforto de alguns inícios podem fazer com que, muitas vezes resistamos a dar continuidade a certas coisas – até mesmo de iniciá-las.

Um mestre em alguma atividade já trilhou todos os caminhos difíceis que um discípulo está ainda trilhando, por isso para o discípulo as coisas são mais difíceis. Jesus sabia disso, por isso se tornou nosso intercessor junto ao Pai – por isso ora por nós sem cessar, por isso Ele é o guarda de Israel que não cochila, mas cuida de nós o tempo todo – por isso escreveu amorosamente esse alerta no texto que lemos. Sabe que para Ele é mais fácil amar os inimigos do que para nós que estamos ainda aprendendo Dele; que estamos ainda abrindo mão de um jeito antigo de ser, e nos deixando ser transformados em um novo jeito de vivenciarmos a espiritualidade – no exercício da plena humanidade. É um processo difícil e, por vezes, doloroso para o aprendiz.

Tudo que se refere às atividades do nosso eu periférico – ou seja, tudo o que está no mundo dos sentidos, da mente e das emoções – é fácil para nós, porque é rotina de longa data e é, portanto, porta larga e caminho espaçoso.

Todo homem normal acha fácil e gostoso comer, beber, dormir, desfrutar de prazeres sexuais, adquirir e curtir bens materiais, conservá-los ou aumentar seu número cada vez mais - é porta larga e caminho espaçoso

É fácil e fascinante ouvir elogios, ser estimado, amado, aplaudido por causa do seu talento – gostamos, porque essas coisas acariciam nosso velho ego físico, mental e emocional - é porta larga e caminho espaçoso

Para fazermos essas coisas não precisamos pensar em disciplinas, não precisamos aprender, porque todas essas coisas se desenrolam em nós com automática facilidade - é porta larga e caminho espaçoso

Entretanto, é difícil e doloroso abrir mão das nossas posses materiais compartilhando-as com quem nada tem. É difícil abrir mão dos nossos prazeres sensuais em respeito à dignidade e integridade do nosso próximo; porque estas coisas se referem, não ao nosso Eu Central - Espiritual, mas ao pequeno ego – a porta fica estreita e o caminho apertado.

Faz parte de nossa rotina cuidar de nós mesmos e dos queridos pertinho de nós – fazemos isso naturalmente, mas, se envolver, cuidar e amar estranhos...aí a porta fica estreita e o caminho apertado...quase impossível atravessar!

Faz parte de nossa rotina correr pra atender nosso corpo quando ele reclama de fome e sede – mas alimentar o espírito...orar, ler a Bíblia, conhecer a Deus... a porta fica estreita e o caminho apertado  - quanta dificuldade!

Faz parte de nossa rotina visitar, com prazer, parentes e amigos queridos, mesmo que a gente tenha que viajar para isso – mas levar consolo a doentes que nem conhecemos em hospitais, ou levar proposta de vida mais excelente a quem está preso, por ter ofendido, irreparavelmente, a sociedade...a porta fica estreita e o caminho apertado – quase nem nos lembramos deles!

Psicologicamente fica claro que o homem não pode gostar de algo que não conhece e que não pode ter facilidade de fazer algo que dantes não praticou – falta a benção da rotina, faltam os trilhos alinhados e muitas vezes faltará a perseverança necessária para continuar a fazer aquilo que é novo, incômodo, pelo menos até esse algo se incorporar a uma rotina, a uma disciplina de vida.

Penso que entendo porque Jesus alertou seus discípulos dizendo que a porta para o Reino seria estreita e apertada e poucos passariam por ela - porque essa é uma travessia que somente os que aceitam o novo fazem - porque é necessária uma transformação, uma nova natureza, um novo eu. E mudar é tão difícil!

É necessário querer, desejar de todo coração essa mudança de vida que só Jesus pode provocar em nós. Uma mudança que tira a gente do mesmismo, das reclamações de sempre, dos problemas sem fim de sempre, das dúvidas de sempre, da espiritualidade sem graça de sempre, e nos coloca numa circunstância de novidade de vida, de novas emoções, novos sentimentos, novos sonhos...

Mas o novo não nos traz somente grandes responsabilidades não. Traz prazer também, alegrias, surpresas, e hoje eu quero desafiar você a se abrir para o novo, a não resistir ao seu Eu Central – Espiritual que quer fluir para ser também renovado.

 Em nossa caminhada com Deus, não amadureceremos se não estivermos abertos para o novo. Muitas vezes estamos tão acostumados a padrões velhos, pensamentos velhos, manias velhas, que realmente não conseguimos enxergar que o novo é o melhor.

Precisamos estar abertos para o NOVO e o RENOVO de Deus! Embora, muitas vezes, o NOVO possa nos inquietar, sempre trará crescimento. Ou você já se esqueceu do primeiro dia no trabalho, o primeiro dia na faculdade, o primeiro dia como esposa, o primeiro dia como mãe, pai, a primeira vez em que você fez tantas coisas? Não foi difícil? Mas a prática não foi tornando você melhor a cada dia?

É o que Jesus quer promover em mim e em você enquanto cidadãos do Reino - quer aperfeiçoar-nos mais e mais, enquanto aceitamos e praticamos tudo o que ele propõe, em nossa desafiadora e redentora caminhada cristã. 




terça-feira, 9 de agosto de 2011

O TALENTO DA PARÁBOLA

O TALENTO DA PARÁBOLA
(Mt 25:14-30; Lc 19:11-28)




As parábolas de Jesus não foram plenamente compreendidas, porém, parece que todos já conseguimos afirmar, sem receio de blasfemar, que não são literais; que agasalham em suas linhas, preciosos princípios espirituais, ocultos das vistas quando de seu primeiro olhar.

O texto da parábola dos talentos diz que o Reino dos Céus é semelhante a um homem que antes de fazer longa viagem, chamou seus servos e lhes distribuiu o seu dinheiro para eles negociarem em sua ausência.

Ao primeiro entregou cinco talentos, que era a moeda corrente na época.  Ao segundo deu dois e ao terceiro um; mandou que fossem negociar até que voltasse da viagem e partiu.

Depois de muito tempo retornou e chamou os três servos para prestarem contas.
Os dois primeiros se apresentaram prontamente e apresentaram os talentos dobrados. O que tinha recebido cinco apresentou dez e o que tinha recebido dois apresentou quatro. Os dois receberam elogios de seu senhor. Foram chamados de servos bons e fiéis no pouco e, por isso, teriam ainda mais benefícios, mais recompensa.

O que havia recebido um talento apareceu, fez um longo discurso tentando justificar sua indolência e devolveu o talento recebido.
Ouviu do seu senhor palavras terríveis:  “-Servo mau e preguiçoso!  Por que não fizeste frutificar o talento que te dei, para que eu o recebesse com juros? Ficarás sem o talento que tens, porque só quem tem receberá mais e terá em abundância; mas quem não tem perderá até aquilo que tem”.

Já ouvi várias interpretações para este texto, porém, a re-leitura que me leva a pensar em Jesus comparando talento com o presente divino que é a nossa vida, a nossa humanidade, e no desejo intenso que Ele tem de que a gente desenvolva, desfrute, seja criativo com este precioso presente que nos deu, aquece mais que as outras, meu coração.

Sendo assim, embora talento no texto refira-se diretamente a dinheiro, na aplicação que Jesus faz passa a significar dádiva, presente. Talento é também salvação, promovida pela auto-realização.
Fomos libertos por Jesus, fomos salvos de uma maneira medíocre de viver e continuamos a ser salvos, na medida em que vamos despertando nossas potencialidades para vivermos com mais inteireza, nossa vida. Quanto mais humanos mais salvos.

A proposta de Cristo sempre foi a de vivermos a plenitude de nossa humanidade com leveza, com criatividade. Para isso, podemos dizer que Deus fez Sua parte: deu-nos o talento que é a vida, juntamente com o livre-arbítrio.

O terceiro servo teria sido, então, duramente criticado porque devolveu ao seu senhor apenas o que dele havia recebido. Com isso, perdeu a recompensa que a aventura de arriscar-se a viver a própria vida lhe proporcionaria.  Não multiplicou o presente de vida recebido, não se aventurou em sua humanidade; teve medo de perder a vida, medo de usar sua liberdade para fazer escolhas, fazendo morrer sua individualidade.  E se o homem, durante o ciclo total de sua existência, não se realizar como indivíduo, se não se integrar no Infinito que é Deus, perde sua identidade, que é sua recompensa.

Por isso é que o homem não sai pronto das mãos de Deus. Tem que aprender a realizar sua natureza humana, aprender a fazer escolhas, relacionar-se com os de sua espécie e dizer como Paulo ao final: “combati o bom combate...” – que combate? O de viver criativamente, sendo plenamente humano e íntegro.

Se o homem se realizar é servo bom e fiel e entra para o gozo do seu senhor quando, humanizando-se, se Diviniza. Se não cumprir o destino de sua embarcação, realizando sua natureza, o homem se apaga, sofre, vive vida sem sentido e desperdiça seus dias, que não são muitos.

Que o melhor de nós se realize plenamente, pois a glória de Deus é o homem desfrutando sua plena humanidade!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

GRANDE MULHER!


GRANDE MULHER!




Junho é mês de meu aniversário – vinte e um, o dia!
Amo estar viva, amo poder celebrar este evento, e meu coração se alegra muito com os paparicos que recebo: presentes, e-mail´s, recadinhos carinhosos, abraços afetuosos...tantas declarações de amor!

Parece que as pessoas se mantêm mais econômicas no dia a dia, porém, sentem-se mais encorajadas a compartilhar seus sentimentos e pensamentos a nosso respeito, por ocasião de nosso aniversário.

Os desejos compartilhados são, normalmente, bastante parecidos. Deixam transbordar carinho, votos de muita sorte, de sucesso, de grandes realizações!
Por vezes, atributos que nem imaginávamos possuir, apresentam-se nobres e gratificantes aos nossos ouvidos, mencionados nas manifestações festivas que acontecem em nossa homenagem. Como uma frase em um cartãozinho, que, neste ano, capturou minha atenção.
A pessoa amiga escreveu que dirigia seus votos de felicidades a alguém, considerada por ela, “uma Grande Mulher de Deus!”. Tal afirmação fez-me dedicar longo tempo ao exercício de pensar!

Quais características conferem tal título a uma mulher? Ou a um homem? Seria inteligência? Poder? Religiosidade?
Será que todos os homens e mulheres possuidores de grande inteligência, muito poder e certo espírito religioso, podem, por isso, serem chamados de grandes?

Pensando em possíveis respostas, lembrei-me de um texto singelo do Ruberto Rohden e desejei compartilhar:

O grande homem (ou a grande mulher) é silenciosamente bom...
É genial – mas não exibe gênio...
É poderoso – mas não ostenta poder...
Socorre a todos – sem precipitação...
É puro – mas não trata com arrogância os que não são...
Adora o que é sagrado – mas sem fanatismo...
Carrega fardos pesados – com leveza e sem gemido...
Domina – mas sem insolência...
É humilde – mas sem servilismo...
Fala a grandes distâncias – sem gritar...
Ama – sem se oferecer...
Faz bem a todos – antes que se perceba...
 “Não esmaga a cana quebrada, nem apaga o pavio que fumega – nem se ouve o seu clamor nas ruas...”
Rasga caminhos novos – sem esmagar ninguém...
Abre largos espaços – sem arrombar portas...
Entra no coração humano – sem saber como...
Tudo isso faz o grande homem, porque é como o Sol – esse astro suficientemente poderoso para sustentar um sistema planetário, e, ao mesmo tempo, delicado para beijar uma pétala de flor...
Assim é e assim age o homem e mulher verdadeiramente grandes – porque sinalizam o imenso amor de Deus...
Do Deus cuja força governa a imensidão do cosmos – e cuja paciência é misericordiosa com a fraqueza do homem...
O grande homem e a grande mulher são, pois, imagem e semelhança de Deus...!

Produto ainda em fase de acabamento que sou, porém, amando estar no processo de ser transformada por Ele, para ficar como Ele, vou aprendendo a contar os meus dias, desejando alcançar coração sábio!

Enquanto tento ser, aceito o carinhoso título, apostando no potencial implantado por Deus em cada um de nós. Aliás, acredito que, no que depender da expectativa do coração de Deus, Seu arraial já está cheinho de Grandes homens e Grandes mulheres – todos amados, queridos e preciosos filhos Seus!

Feliz aniversário pra mim, nesta data querida...
Muitas felicidades, muitos anos de vida.
Viva!

sábado, 26 de junho de 2010

SABEDORIA NUM OLHAR

SABEDORIA NUM OLHAR

Salmo 121:1-2
"Levanto os meus olhos para os montes e pergunto: de onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor que fez os céus e a terra".


Meu pai não freqüentou a Academia, mas, em sua simplicidade quanta sabedoria...Cedo nos ensinou a ter uma atitude mental muito valorizada pela medicina, psicologia, pela vida – uma atitude mental que traz muitos benefícios ao ser humano: pensar positivamente.

A cada dificuldade - e eram tantas as que enfrentávamos em nossa vida pobre no interior de São Paulo - dizia-nos que não eram maiores que nós. Dizia-nos que bastava crer nisso para nos encontrarmos em condições de vencer cada uma delas.

Lembrei-me dessa atitude de meu pai ao reler os dois primeiros versículos do Salmo 121. O salmista, que nos demais capítulos do livro se reveza em sentimentos de alegria, tristeza, lamento, confiança, medo, força, fraqueza, esperança, desânimo, é o homem que o capítulo anterior mostra olhando para as próprias dificuldades, dizendo pra si mesmo: “ai de mim que passo por isso...ai de mim que sou perseguido... ai de mim...que farei?”

Até que, de novo, parece entender que não adianta ficar se lamentando, que precisa fazer algo para mudar seu sentimento, seu momento de vida...então tira os olhos da própria dor...tira os olhos das circunstâncias que o cercam, e o texto diz que ele levanta os olhos para os montes e, positivamente, declara de onde vem o seu socorro: “vem do Senhor que fez os céus e a terra”.
Quando estamos demasiadamente envolvidos por nossos problemas, tomados por nossas próprias dificuldades, essas dificuldades parecem se agigantar. Mas, quando olhamos para elas como se estivéssemos do lado de fora delas, podemos avaliar melhor seu tamanho, suas proporções – é quando a gente acaba descobrindo que o bicho não é tão papão quanto parece.

Pensar positivamente ou confiar em Deus, é não se deixar paralisar pelas dificuldades. É olhar bem nos olhos delas e dizer-lhes: vocês não são maiores do que a certeza que eu tenho de que maior é Aquele que é por mim e que sussurra em meus ouvidos que vocês dificuldades, vocês problemas, vocês dores, vocês enfermidades, sempre existirão, porém nunca terão a palavra final, nunca serão para sempre, já foram vencidas.


Li um texto sobre o diretor de uma grande empresa comercial que costumava reunir todo ano seu grande número de gerentes, para uma espécie de orientação e balanço.

Certa vez, em tempo de grande crise econômica, seus desanimados gerentes apresentaram relatórios que só refletiam derrotismo.

O diretor ouviu em silêncio as lamúrias de cada um de seus auxiliares. Depois levantou-se e, em silêncio, suspendeu na parede um grande cartaz branco com um pequeno ponto preto no centro. E perguntou a um deles:
O que é que está vendo?
Um ponto preto – respondeu.
E você? Perguntou ao outro.
Um ponto preto num papel branco.E você?
– Vejo o mesmo, um ponto preto num cartaz branco.
Mas será possível – exclamou o diretor – que vocês todos enxergaram apenas um ponto preto, ou então um ponto preto num papel branco? Será que ninguém enxerga um enorme cartaz branco com um pequenino ponto preto, quando ao branco é mil vezes maior que o preto?

Não é essa a nossa tendência? Basta um probleminha surgir pra gente esquecer a enorme quantidade de coisas boas que continuamente nos acontecem.

A medicina já comprovou após muitas curas e mortes que pensar positivamente é uma força criadora enquanto que pensar negativamente é uma força destruidora. Um bom exemplo disso é a vida de um dos maiores inventores da história. Tomas Edison, o inventor da lâmpada elétrica. Ele fez nada menos que 700 experimentos sem sucesso, durante longos anos, para criar uma lâmpada de filamentos incandescentes, como as que usamos hoje em dia.

Quando um de seus auxiliares, desanimado com tantos fracassos, sugeriu a Tomas Edison que desistisse de fazer outras tentativas já que nada tinha acontecido, exclamou aborrecido: - O que? Como nada aconteceu, como não avançamos nenhum passo? Avançamos 700 passos na direção do sucesso final. Hoje sabemos de 700 coisas que não deram certo, não temos mais 700 ilusões que tínhamos antes. Você chama isso de perda de tempo?
Ele não desistiu, hoje temos a luz. Esse homem estava acostumado a pensar positivamente e esse era o segredo do seu triunfo. Desistir...nunca!

Semana passada ouvi a conversa de duas professoras no ônibus, reclamando muito do comportamento dos seus alunos, da dificuldade crescente para manter a ordem na classe, da sensação que elas tinham de que pouco adiantava todo seu trabalho...

O que achei interessante foi que, depois de tanto reclamarem concluíram o papo assim: “mas também, se a gente não agüentar isso, se a gente não fizer isso quem vai fazer? Pelo menos a gente tenta - acredito que alguma coisa fica na mente deles e um dia quem sabe, pode fazer diferença em suas vidas”.

Pensar positivamente é ver além das circunstâncias ruins. O que aprendemos com o salmista é que devemos parar de ficar lambendo feridas, tirar os olhos do negativo e sonhar, lutar, buscar o melhor de nós mesmos, os melhores desdobramentos do fruto do espírito: amor, paciência, misericórdia, paz, domínio próprio, perdão....

►Não podemos desistir de todas as pessoas porque uma falhou com a gente, nos decepcionou. Não desista de investir no Reino humano de Jesus só porque alguém em quem você investiu traiu sua confiança. Apenas tome mais cuidado da próxima vez e pense que tem muita coisa bonita ainda por acontecer na sua vida.
►Não fique lamentando pra sempre o mal que você fez. Passe a praticar corajosamente o bem que você ainda pode fazer. Porque não basta arrepender-se, é necessário converter-se. E conversão não significa apenas arrependimento. Conversão é definida como ultrapassagem da própria mente e entrada no próprio espírito – no “eu”.
O melhor exemplo de não conversão que temos na Bíblia é Judas. Por que ele se suicidou se a Bíblia diz claramente que ele se arrependeu? Foi exatamente porque ele apenas se arrependeu e não se converteu – por isso se suicidou. Arrepender-se é detestar o mal que se faz e converter-se é detestar o mal que se faz e passar a fazer o bem.
É assim que se acaba com o mal – fazendo o bem. Ninguém entra num quarto escuro e acaba com a escuridão gritando com ela. Ao contrário, silenciosamente acende uma luz no meio dela e pronto, lá se vão as trevas.
►Não fique reforçando, alimentando suas fraquezas, suas dificuldades. Se você só sabe repetir que não é capaz de fazer nada, então nada terá a capacidade de fazer você fazer alguma coisa. As Escrituras afirmam que o homem é aquilo que pensa – e o pensamento humano é criador. Toda grande obra nasce na mente humana – seja obra positiva, seja negativa. Por isso é que a Bíblia diz que o homem deve vigiar cuidadosamente seus pensamentos, para que a repetição habitual dos pensamentos maus como ódio, medo, rancor, ressentimento, desânimo, pessimismo, covardia, desconfiança, etc, não acabe por criar na alma uma atitude indesejável que dificulte sua própria felicidade.
A maior vítima desses tipos de pensamentos é quem alimenta esses pensamentos. Porque antes de fazer mal aos outros faz a si mesmo. Sentimentos negativos prejudicam terrivelmente quem os tem.
►Antes de revidar analise o que as pessoas dizem sobre e para você. Quem sabe você pode transformar uma crítica em algo positivo. Albert Einstein dizia: “No meio de toda dificuldade reside uma oportunidade.”
►Em suas dificuldades lembre-se de suas frases favoritas ou de seus versículos favoritos, para dar-lhe inspiração e motivação. Lembre-se de pessoas que você admira e inspire-se em seus exemplos que fazem sentido pra você.
►Lembre-se ainda de que não é possível agradar a todos. De fato, ninguém pode. Às vezes você precisa apenas deixar que algumas pessoas passem pela sua vida, sem que você faça diferença na vida delas ou elas na sua. Percebendo isto, você vai se livrar de um monte de gente desnecessária e interagir com pessoas que tornem sua vida positiva.

Pensar positivamente é preparar o caminho para a verdade felicidade – aliás, essa mesma atitude positiva que os cristãos conhecem como confiança no caráter de Deus, é já, o que chamamos de felicidade!

“A tristeza é que nos diz intensamente que a vida quer ser vivida. Muitas vezes, concentramos nossa atenção na parte dolorosa, querendo uma vida diferente. A tristeza só ocorre quando você se importa. Quanto maior a importância, maior a dor. Embora a tristeza às vezes possa parecer vazia, ela não é.Toda tristeza tem um lado positivo. Alguma coisa nessa tristeza lhe diz, sem sombra de dúvida, que as coisas não são como deveriam ser. A tristeza significa que você está realmente envolvido. Aproveite isso. Use sua força. Veja além da dor do momento e encontre uma forma positiva de canalizar seus sentimentos. A tristeza é uma afirmação da alegria e beleza da vida. Experimente a pureza de estar completamente vivo e permita que esse sentimento profundo o impulsione para a frente.” (Autor desconhecido por mim)
A Bíblia adverte: pensar positivamente faz bem à saúde!

terça-feira, 13 de abril de 2010

ELE ERA UM POETA!


ELE ERA UM POETA!!!


"Ele era um poeta. Via com nossos olhos, ouvia com nossos ouvidos e nossas palavras silenciosas estavam em seus lábios... Sim, ele era um poeta, cujo coração habitava sob uma morada além das alturas e suas canções embora fossem para os nossos ouvidos, eram também cantadas para outros ouvidos e para homens de outras terras, onde a vida é eternamente jovem e o tempo é sempre aurora”. Khalil Gibran


Tomei emprestados, fragmentos de um poema do Khalil Gibran, num esforço de poder dizer o mínimo do muito que a vida luminosa do Allison significou pra mim.

Tive o prazer de interpretar várias canções desse amigo, pastor e poeta, três das quais incluí em meu último CD. Só quem é músico sabe da íntima comunhão que se experimenta quando se empreende um projeto assim: de ser intérprete de sentimentos profundos, percepções da alma apaixonada, vidências proféticas, sons e palavras que edificam, consolam, exortam, e, sobretudo, são capazes de afagar, como um todo, a pessoa humana – sinalizar na direção da Vida Abundante.

Tenho inúmeras razões pra derramar rios de lágrimas diante do que aconteceu, embora guarde, não apenas um pouco, mas muito desse irmão e amigo querido em mim. Muito da poesia, do desvelar do coração, sentimentos, dos sorrisos, dos momentos agradavelmente indescritíveis sempre que ele estava presente...do entusiasmo, da esperança e da alegria que ele sempre inspirou em minha vida.

Ah! Meu amigo querido! Quem é que vai nos transportar para a terra dos sonhos satisfeitos e desejos realizados...?!?! Quem nos fará virar meninos e meninas para ingressar na “Festa da floresta“ e rodopiar com o Criador?!?!

Quem nos procurará com os olhos brilhantes querendo saltar das órbitas, para compartilhar a música recém-nascida, tal como uma criança exibe o brinquedo preferido que acaba de ganhar?!?!

Não posso me conter! Tenho que expressar sentimento de pesar profundo, não apenas meu, mas de toda nossa comunidade Betesda aqui de Lavras, muito embora sua ausência nunca se torne de fato realidade em nossos corações, porque a transparência de eternidade que emanava de seu coração permanecerá impregnada no tecido dos nossos momentos mais caros, exortando-nos a sermos imitadores do mais incrível talento que o Allison Ambrósio possuía...talento para ser feliz e semear felicidade!



Saudade...para sempre!

VOCÊ QUE O CONHECEU, PODE AINDA SORVER FRAGMENTOS DELE PRA DENTRO DE SI, ATRAVÉS DO BLOG QUE ELE ALIMENTAVA: criacoesdaalma.blogspot.com

VOCÊ QUE NÃO TEVE O PRIVILÉGIO DE DESFRUTAR DE SEU SORRISO E ALEGRIA CONTAGIANTE, PODERÁ ENTENDER, EM PARTE, LENDO SEU BLOG E OUVINDO SUAS MÚSICAS, A RAZÃO DA DOR PROFUNDA QUE NÃO SE AQUIETA, NÃO RELAXA, NÃO DÁ UM TEMPO, E, DEFINITIVAMENTE, SE ENRAIZA EM NOSSOS CORAÇÕES!